sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Comentário ao Evangelho do dia feito por Beato João Paulo II

Carta apostólica «Novo milênio innuente» § 33 (trad. © Libreria Editrice Vaticana)

Reconhecer o tempo presente
Não será porventura um sinal dos tempos que se verifique hoje, não obstante os vastos processos de secularização, uma generalizada exigência de espiritualidade, que em grande parte se exprime precisamente numa renovada carência de oração? Também as outras religiões, já largamente presentes nos países de antiga cristianização, oferecem as suas respostas a tal necessidade, chegando às vezes a fazê-lo com modalidades cativantes. Nós que temos a graça de acreditar em Cristo, revelador do Pai e Salvador do mundo, temos obrigação de mostrar a profundidade a que pode levar o relacionamento com Ele.
A grande tradição mística da Igreja, tanto no Oriente como no Ocidente, é bem elucidativa a tal respeito, mostrando como a oração pode progredir, sob a forma dum verdadeiro e próprio diálogo de amor, até tornar a pessoa humana totalmente possuída pelo Amante divino, sensível ao toque do Espírito, abandonada filialmente no coração do Pai. Experimenta-se então ao vivo a promessa de Cristo: «Aquele que Me ama será amado por Meu Pai, e Eu amá-lo-ei e manifestar-Me-ei a ele» (Jo 14,21). [...]
As nossas comunidades, amados irmãos e irmãs, devem tornar-se autênticas escolas de oração, onde o encontro com Cristo não se exprima apenas em pedidos de ajuda, mas também em ação de graças, louvor, adoração, contemplação, escuta, afetos de alma, até se chegar a um coração verdadeiramente apaixonado. Uma oração intensa, mas sem se afastar do compromisso na história: ao abrir o coração ao amor de Deus, aquela abre-o também ao amor dos irmãos, tornando-nos capazes de construir a história segundo o desígnio de Deus.

2 comentários:

maria luiza saes de rezende disse...

"As nossas comunidades, amados irmãos e irmãs, devem tornar-se autênticas escolas de oração, onde o encontro com Cristo não se exprima apenas em pedidos de ajuda, mas também em ação de graças, louvor, adoração, contemplação, escuta, afetos de alma, até se chegar a um coração verdadeiramente apaixonado" Adorei o pensamento e isso é muito sério e merecia ser escrito em faixa e colocado na entrada da igreja! Obrigada pela visita lá no Alfa e já estou ficando por aqui, nesse abençoado blog.

Pãozinho do Céu disse...

Oi Rosane, paz e bem
Desculpe-me por não te deixado um recadinho antes,estava com prolemas qdo ia postar o comentário sumia tudo, mas graças a Deus passou este problema.
Seu bloguinho continua muito abençoado, recheado de coisas belas.Parabéns

Abraço Fraterno
Sueli

Postar um comentário